A Medida Provisória que acaba com a desoneração da folha de pagamento para a maioria dos setores hoje beneficiados, precisa ser votada pela Câmara e pelo Senado até quinta-feira (10), ou perderá validade. A MP integra o esforço do governo para cumprir a meta fiscal de 2017, um déficit primário de R$ 139 bilhões. A previsão de arrecadação com a reoneração, nos termos originais da MP, era de R$ 4,8 bilhões. O texto original passou a valer em 1º de julho. Entretanto, o relator, Airton Sandoval, mudou a vigência para janeiro de 2018. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, se reúne com líderes da base aliada para tentar um acordo para a MP.